Homenaxe a Ernesto Sampaio a través do 70º cabodano de Castelao

Xesús González Gómez.

Ernesto Sampaio e Fernanda Alves.

Poeta, crítico, actor, bibliotecario, teórico, profesor, xornalista, tradutor (de André Breton, Fourier, Julien Gracq, Walter Benjamin, Thomas Bernhard, Peter Berger, Georg Büchner, Ionescu e un amplo etcétera), Ernesto Sampaio (1935-2001) foi un dos máis importantes escritores surrealistas portugueses do século pasado. En 1958 viu lume o seu primeiro libro Luz Central e o ano seguinte Para uma cultura fascinante: «reflexões sensíveis de este autor, os seus poemas meditações –ou como se lhes queira chamar– são os textos mais agudos e corajosos que entre nós se escreveram na modernidade, dentro da e sobre a “experiência poética”», escribiu Herberto Helder en Edoi Lelia Doura. Antologia das vozes comunicantes da poesía moderna portuguesa (1985). En 1965 deu ao prelo o seu libro de poemas Na procura do silêncio, e até 1986, deixando de lado Antología do humor português, que asinou con Vergílio Martinho (Edições Afrodite, 1969), non viu lume ningún libro asinado por el. Foi en 1986 que Hiena Editorial publicou unha escolla de textos de Sampaio: Sal Vertido. A mesma editorial reeditaría os outros tres libros seus. Anos despois aparecería un novo libro que recollía textos (xornalísticos, prólogos, etc.) seus: Ideas Lebre en 1999. Ese mesmo ano aparecería Feriados nacionais, recompilación de poemas, textos automáticos, soños, diálogos surrealistas, etc. O ano seguinte publicaríase o seu último libro, en vida: Fernanda, poema homenaxe á súa muller, a actriz Fernanda Alves, falecida ese mesmo ano. (Estes tres libros foron publicados por Fenda edições). O ano seguinte, como se dixo, morreu Ernesto Sampaio. Como afirmaba Mário Cesariny: «morreu de amor».

Nos seus libros teóricos, mesmo sexan recompilacións de artigos, prólogos, etc., brilla sempre o teórico surrealista. A súa poesía insírese dentro do que el denominou «a única tradición viva», esa tradición cuxas tutelas son o soño, a poesía, o amor e a liberdade. Esas tutelas, ou como el afirmaba, «polos tutelares», son as que conformarán unha cultura fascinante, e son a luz central de toda poesía viva que non se deixa –caninamente– recuperar, «ou por envelhecerem [os poetas] ou por non terem sabido manter a distância suficiente, consciente da sua direção única: esa “vontade prática” que procura restabelecer os verdadeiros fundamentos da relação homem-mundo». A práctica crítica de Sampaio nunca se nutriu de actualidade, pois aínda que tivese que dar noticia desta (traballou en diversos xornais), a luz central que atravesa os seus textos é unha luz sempre inactual: de aí a súa actualidade. Como o seu admirado André Breton, Sampaio sabía que querer vivir en poesía fóra da vida era atentar contra a vida… e contra a poesía. «A poesia não se vive ao 10 ou ao 20 por cento, reservando o resto aos imperativos da chamada realidade prática». El viviu a poesía, e o amor, ao cento por cento. Como Breton, afirmaba que no amor nunha hai decepcións. Amou loucamente a súa dona. Cando ela morreu sentiuse brutalmente mutilado: «falta-nos a metade das nossas veias, a metade dos nossos nervos, metade da nossa pele esfolada, metade do nosso coração gelado. Ernesto Sampaio ficará como un dos grandes poetas secretos portugueses da segunda metade do século XX (en Feriados nacionais recóllense algúns dos mellores poemas automáticos do surrealismo, e non só do portugués), como un dos grandes teóricos da poesía en Portugal, como un dos grandes surrealistas de sempre.

Foi case sempre, en propias palabras, o último da clase até que de repente pasou aos primeiros postos. Nese momento abandonou os estudos e partiu á aventura. Voltou arrepentido, mais na súa poesía, como nos seus escritos críticos ou teóricos, intentou tomar posesión da vida.

Ernesto Sampaio foi redactor do Diário de Noticias, logo do Diário de Lisboa, até a súa desaparición. Nos seus últimos anos de vida colaboraba no xornal Público como crítico teatral. No Diário de Lisboa, no seu suplemento 7 x 7, publicou moitos artigos que aínda esperan ser recollidos en libro. Neste suplemento, datado o 30 de agosto de 1979, apareceu este texto sobre Castelao. O texto ía acompañado dun pequeno excerto de Sempre en Galiza e de diversas estampas e debuxos do rianxeiro. Sirva esta reprodución como lembranza do 70º cabodano do autor de Cousas.

CASTELAO, UM ARTISTA DO SEU TEMPO E DO SEU POVO

Alfonso Rodríguez Castelao nasceu en Rianxo, na Ria de Arosa (sic), em 1886, num «tempo abafado pra escomenzar a vivir», e morreu no exílio de Buenos Aires, em 1950, num «tempo de tristura e discordia». Mesmo na sua terra, poucos souberam que a muitas milhas de distância, no desterro, deixara de existir uma das persoanalidades mais firmes e criadoras da pátria galega. Castelao desenvolvera, com a proclamação da Segunda República espanhola, unha febril actividade política concretizada na criação do Partido Galeguista. Eleito deputado por Pontevedra à Assembleia Constituinte, luta por conseguir un estatuto jurídico que satisfaça as aspirações autonomistas da Galiza. Mas é na sua arte que a Galiza emigrante, marinheira e campesina encontra a sua expressão mais civil e autêntica e transparece a dor funda de uma realidade imposta pela força das armas e do costume. A arte de Castelao entronca numa tradição popular, combativa e irónica, na qual o conteúdo revolucionário alterna com uma subtil e profunda vibração patriótica. «Todo canto fixo –dirá Núñez Búa, biógrafo do artista– víñalle do cerne, da ialma, non dos miolos do cráneo; do sentimento, non dos libros. Foi o que se propuxo: un artista do seu tempo e do seu pobo. Do pobo tirou a emoción estética, os modelos, os meios expresivos –figura e verba–. Nos seus dibuxos están os anceios, as angurias e afáns coleitivos, co seu lápiz vai dicindo canto ten no peito, e no peito diste home cabe toda Galiza». As estampas que hoxe publicamos, extraídas dos álbuns Nós, Milicianos, Galiza Mártir e Cincoenta homes por dez reás, dão testemunho de uma Galiza terrível, esmagada e ultrajada na sua miséria, sen ganas de perceber a formosura do sol-pôr, nem a policromia dos campos e dos céus, nem a «ledicia das festas». Da obra tão facetada de Castelao, há ainda um aspecto que convém focar e Rodrigues Lapa assinalou num número especial (Fevereiro de 1951) da Seara Nova, homenagem ao grande artista galego: «este espanhol, ou hespanhol, como ele propositadamente escrevia, votaba ao nosso país o mais entranhado afecto, pois via nel, e muito acertadamente, a parte engrandecida de um todo, que os caprichos e os erros dos homens arbritariamente dividiram. É no seu último grande livro, Sempre en Galiza, que nos fala do seu interesse, nos anos de mocidade, em conhecer Portugal e a sua cultura. Sempre que uma dessas tunas académicas vinha en excurssão a Portugal, em contraste com os senhoritos que afectavam pimponice castelhana num país que era o prolongamento natural do seu, Castelao embebia-se de cultura portuguesa e, ao regressar, ia como ele impressionantemente diz “com os olhos prenhes de formosura e o coração cheio de saudades, alegre por ter visto em Portugal o génio galego em liberdade!” E, naturalmente, regressava mais galego”».

Uma última nota: o totalitarismo cultural que a Galiza suportou durante tantos anos parece ter-se traducido num estrondoso fracasso. O galego é falado por cerca do 75 por cento dos habitantes do país (a população camponesa e marinheira e largos sectores da juventude e dos intelectuais), constituindo a reivindicação da língua, como no tempo de Castelao, um passo fundamental na recuperação objectiva da pátria e do povo galego.

Ernesto Sampaio

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair /  Cambiar )

Google photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google. Sair /  Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair /  Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair /  Cambiar )

Conectando a %s